Good&Bad on tumblr

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Gostosão

Já sei que vai haver imensa gente a dizer, "ah, e tal, não acho nada" ou "não faz nada o meu género" ou ainda "é muito isto ou muito aquilo"

Eu acho um dos moços mais bonitos que vi nos últimos tempos.

 
 
Só me ocorre:
 
 


sábado, 24 de setembro de 2016

Punheta ao luar, numa noite quente de final de verão (NSFW)

A noite do Bairro Alto não esmoreceu, continua palpitante e cheia de vida. Pareceu-me até menos underground do que a conhecia de anos anteriores. 
A cena gay, essa, mudou-se, mais para baixo (não me perguntem o nome da rua). A noite estava convidativa, quente. Convidava às t-shirts justas, axilas ao vento e mamilos a apontar para a frente.
A cena gay, no Bairro Alto estava cosmopolita e heterogénea, maioritariamente composta de gente gira, com a cor morena do fim do verão e formas fruto de algum ginásio.
(Com o devido distanciamento de dimensão, o Porto vai pelo mesmo caminho, os gays sairam à rua. Na rua das Galerias de Paris, a cena gay está em alta, um pouco travada pelo clima que, ao contrário de Lisboa, é sempre mais fesquinho e húmido)
Voltando ao Bairro Alto, conversa puxa conversa, saímos por volta da 4 da manhã, já as ruas meio desertas proporcionavam o xixizinho nas vielas mais sombrias. Meia hora depois faziam-se as despedidas às portas do Construction, porque nós, os nortenhos, teríamos que nos levantar cedo para o check out e regresso ao Porto.
Subimos aos nossos aposentos, no terceiro piso de um prédio a duas ruas de distância da Meca gay, o Trumps.
A noite acabaria, como normalmente, com o meu namorado a fumar o seu cigarro na varanda e eu a aproveitar o cheiro para matar o vício. 
E foi aí, sob o luar de uma noite quente, que fomos presenteados com a visão de dois jovens, dentro do seu Mini Cooper, que resolveram satisfazer-se mutuamente antes de entrar no Trumps. Nada como aliviar a te(n)são antes de entrar num antro gay para evitar tentações. 

Do cimo do nosso terceiro piso, e a coberto da escuridão, apenas podíamos ver as cabeças das pichas sair e entrar da sua camisa de pele  (digo pichas porque a cena se passou em Lisboa, pois se fosse no Porto seriam vergas)



Falta apenas referir que os meninos eram bem higiénicos. A punheta foi bem batida, com camisinha. Nada de calças salpicadas de meita ou mãos pegajosas e, no final, ainda tiveram cuidado de colocar o saquinho de leite no contentor do lixo. Amo estes gays civilizados da capital. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

União Gay contra a Homofobia

Foi em Maio deste ano que escrevi sobre E se fosse consigo - Homofobia. Pouco depois fui contactado pelo rapaz do debate: André Mendonça.

O contacto foi humilde. A empatia que tinha transmitido no debate tinha sido grande e, ter sido contactado por ele no seguimento do meu post, terá sido um dos momentos mais marcantes da existência deste blog.

Aquando desse contacto, o André já se havia "levantado" da sua difícil fuga de casa, com a ajudo do actual namorado, mas, a sua situação pessoal continuava frágil.
 
Ao longo do tempo voltei a comunicar com o André algumas vezes. É do género de pessoas de quem gostamos, apesar de não conhecermos pessoalmente ou profundamente. Combinamos que, quando viessem ao Porto ou se eu fosse a Lisboa nos haveríamos de encontrar.
O encontro no Porto nunca aconteceu, mas a pretexto da minha passagem por Lisboa, nestas férias, resolvi contactar o André, a ver se realmente nos iriamos encontrar. E foi assim, num dia de calor abrasador, que nos encontramos no ambiente refrescante de um shopping da capital.

O André apareceu com o seu namorado (não me lembro se foi apresentado como tal, mas a cumplicidade, pareceu comprova-lo) e outro amigo.
O início foi tímido de ambos os lados, mas rapidamente as palavras se começaram a soltar e, o André falou, falou muito, falou bem. Ao contrário do que transparece no debate, o André sente-se bem a falar.

O encontro passou depressa e a conversa andou bastante à volta da sua experiência enquanto vítima de homofobia bem como da dificuldade que tem tido em arranjar trabalho e, obviamente, do peso que isso lhe impõe dentro da relação.

Apesar de autorizado, não fui mandatado para escrever qualquer relato deste encontro e por isso não me alongo mais, até porque, muito do que se falou é do foro pessoal do André. No entanto, gostaria muito de poder ajudar e não tenho como. Por isso, resolvi escrever este post como pedido de ajuda.

A Homofobia por que passou é agora o menor dos seus problemas. O André continua a debater-se com a falta de trabalho e com um problema de saúde (ou, pelo menos, com o reconhecimento do mesmo).
Dizem que existe um lobby gay. Que tal usa-lo para algo de bom?
O André fala, fala muito, fala bem. O André fala inglês, francês e espanhol. Existe de certeza um trabalho à sua medida e, quem sabe, este blog possa ser o veiculo para que esse mesmo emprego apareça.
É com esta esperança e expectativa que escrevo este post.



 
 
 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

homOrgias poéticas - AO CÚ, com amor

A rede social que mais uso durante as férias é o instagram. É simples porque permite carregar algumas fotos, dignas de serem partilhadas e "ponto". Sem texto ou apenas algumas palavras e já está.
 
Ao usar a minha conta de instagram, aproveito sempre para cuscar as contas de amigos e alguns, não amigos, que pela natureza das fotos publicadas merecem ser seguidos. Sigo poucos, bem menos de 100.
 
Recentemente descobri este, que não poderia deixar de referenciar: homOrgias
 
 
O projecto pode também ser encontrado no tumblr
 


Ao contrário do que o nome possa fazer pensdar, não é pornográfico. Muito herótico, sim. Visual mas não directo. Ternurento e quente, mistura fotos e poesia.
 
Brasileiro, Auto intitulam-se: homOrgias homOrgias poéticas- Photographic/Performative Project + Homo Art
 
Direcção Artística Rafael Guerche
 
As fotos são profissionais e os textos magníficos. Resolvi reproduzir este, apenas por ser o mais recentemente publicado no tumblr do projecto e por nos dizer tanto, a todos nós, gays e amantes de cu..
 
AO CÚ, com amor
pequeno botão
da flor mais celestial
os deuses á ti consagram
e celebram
não estes cristãos
cheios de pecado e culpa
mas os pagãos
embriagados de vida
e magia
quantos á ti
reprimem
como podes ser tão perseguido
e alvo de tantos pudores
pequenino encantado
sabem aqueles
que a ti se entregam
os sabores
misteriosos
de teu ritual
riem
inspirados os amantes
entorpecidos
dos seus mais ancestrais
gozos
de ti nascem todos os nossos desejos
por isso a ti tanto querem punir
quantas noites
te sugando
bem fundo
me fiz homem
feliz
quantas noites
te entregando
aos meninos
que pela minha cama passaram
e pelo meu corpo passearam
me fiz
amante amigo
quando me tocam a próstata
com um falo mágico
estrelas, constelações inteiras
brotam em minhas paisagens
ancestrais
quero dar-te aos meus meninos
quero devorar-te virginal
cú amado meu
á ti dedico este cantar
insaciado amigo
que dentro de ti
goze
todos os sabores
deste mundo
me dilacerando á alma
embriagando todo o meu ser
lambo-lhe
as pregas
os pelos
chupo-lhe
teus mais ardentes desejos
só aqueles
que do cú gozaram
madrugas alegrias
devotaram deste amor
querubim
sabem aqueles
que a ti tanto reprimem
do medo de viciarem
nos prazeres
quando aos amantes
te entregarem
libertem seus cús
homens culpados
mal amados
e mal comidos.
 
rafael guerche
fotografia_Kaique Hector
www.homorgias.tumblr.com
 

(Os textos e fotos neste post foram retirados, sem alteração, do instagram e tumblr do projecto)
 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Dádiva de sangue homossexual - Que puta de igualdade

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) prepara-se para publicar uma norma de orientação clínica que põe fim à proibição de dádiva de sangue por homossexuais e bissexuais. Dizem que com esta lei, pessoas homossexuais e heterossexuais são descritas em pé de igualdade, o que não acontece hoje.


A igualdade a que estes senhores se referem é que homossexuais e bissexuais podem dar sangue, 1 ano após terem tido sexo com outro homem.
WTF?
 
A igualdade a que estes senhores se referem é:
1- És heterossexual e acabaste de comer uma gaja. Ótimo,  vamos lá tirar o sanguezito.
2- És gay? Se queres dar sangue não podes foder durante 12 meses!!!
 
Ok, vou mesmo deixar de foder para poder dar sangue. Podem esperar sentadinhos, ok?
 
Ah, caso tenhas iniciado uma relação monogâmica, podes esperar apenas 6 meses e pedir autorização para dar sangue (não te esqueças do sff, que fica sempre bem)
 
 

Top Mais e Top Menos de uma semana de férias "cá dentro" (em fotos)

A meia distância entra a semana de férias de Junho, passadas no arquipélago da Madeira, e as "férias grandes" previstas para Dezembro (e ver se escrevo sobre isso), resolvi aproveitar estes dias de descanso merecidos e ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIOS para ver ou rever amigos e locais portugueses, junto com o meu V.

Não pretendo descrever exaustivamente essas férias, até porque acho que AS NOSSAS FÉRIAS são um tema empolgante para nós mas muito seca para os outros.

Assim, vou apenas listar aquela que foram as maiores surpresas, desilusões e assim/assim.

A surpresa: Monsaraz.
Não conhecia e amei. Cidade muralhada, absolutamente preservada, é um regalo para a vista.
A primeira localidade alentejana é ainda, para mim, Évora mas, Monsaraz, aparece neste post em primeiro lugar pelo factor surpresa.


 
 
A desilusão (sem registo fotográfico): A maioria das localidades do interior alentejano.

Na sua maioria, vilas fantasma, sem alma, sem população, sem vida. Arquitetonicamente e historicamente impressionantes não souberam manter a vida minimamente interessante para populações jovens (a meu ver culpa de desinvestimento central) e transformaram-se em cidades museu... Elvas é, a meu ver o maior exemplo desta dualidade, sendo Património da Humanidade, pela sua importância mas capaz de causar um nó no peito de tão moribunda de vida.

Assim/assim visitados no Alentejo:
Vila Viçosa - Perfeitamente restaurada. O Paço dos Duques estava fechado e a vila sofre do mesmo mal de outros locais... sem vida

Evoramonte: Aqui nota-se outro problema do turismo em alguns locais: Sem qualquer suporte ao turismo. Não tem posto de turismo, placas de identificação, percursos, etc.

 
 
Paisagem:
Bela como sempre e impar no território nacional. transmite, infelizmente o abandono da terra e das localidades do interior.
 
O melhor da estadia em Lisboa: Alfama
Já estive em Lisboa por diversas vezes mas nunca tinha "perdido" tempo para visitar esta zona. Adorei.
 


 
 
O pior: Talvez seja um dano colateral mas necessário e que está a afectar muitas cidades portuguesas e europeias... os turistas estão a tomar conta das cidades e a afastar os habitantes dos centros, esvaziando o centro daquilo que mais o caracteriza, a sua população.
 
Prémio simultâneo para o melhor e pior - Costa da Caparica: As suas praias são maravilhosas (foto em baixo), mas a cidade é o arquétipo do urbanismo tuga, ou seja, não há urbanismo ou planeamento. Não há harmonia das construções, faltam passeios ou espaços verdes, espaços públicos deteriorados, chinesices à venda por todo o lado, etc.
 
Fiz nudismo pela primeira vez na vida e isso foi bom :-D
 





segunda-feira, 25 de julho de 2016

Jantar Blogues LGBT - 2016

Como anfitrião do jantar de blogues 2015, no Porto, não poderia deixar de apoiar a iniciativa para este ano, patrocinada pelo ADOLESCENTE GAY: Jantar Blogues LGBT

 

Modéstia à parte, o jantar de 2015 foi um sucesso. Right Guys?

E este é para todos os que, no ano passado, não puderam vir devido à €distância€.

Bora lá pessoal, toca a confirmar a vossa participação no evento de 2016.